quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

DIÁRIO INCONTÍNUO



15 de dezembro

O DESTINO E A RELATIVIDADE

Elmar Carvalho


No ardor e na bisonhice de meu final de adolescência, no segundo semestre de 1975, fui, algumas vezes, com meu pai a reuniões no salão paroquial da igreja de Fátima, perto do chamado arsenal, antiga sede da Polícia Militar em Parnaíba. Seguíamos a pé, do apartamento dos Correios, onde morávamos, na Praça da Graça, até o local das reuniões. Nessa época, ainda me afirmando, eu gostava de debates e discussões intelectuais. Por duas ou três vezes, com a mediação de um dos padres redentoristas, entrei em calorosa discussão com o senhor João Batista Costa, funcionário aposentado dos Correios e vice-prefeito de Parnaíba, na gestão Elias Ximenes do Prado. Era ele colega e amigo de meu pai.

Ele esposava o entendimento de que existia destino, no sentido de que o homem já vinha com a trajetória de sua vida previamente traçada por Deus. Eu tinha o entendimento diametralmente oposto, e argumentava com ênfase muito incisiva que se não fosse assim a Justiça divina não existiria, ou, ao menos, não poderia existir o pecado. Ora, argumentava eu, se uma pessoa trazia o destino de cometer pecado, como, por exemplo, matar alguém, essa culpa não lhe poderia caber, já que ela nasceu com essa determinação do destino, da qual não poderia fugir, pois seria algo semelhante ao maktub dos árabes, cujo vocábulo pode ser traduzido por “já estava escrito”. Por outro lado, a virtude também não poderia existir, porquanto se um ser humano veio ao mundo predestinado a ser bom, a fazer caridade, nenhum mérito lhe caberia, uma vez que nascera “programado” para fazer o bem, para ser virtuoso. Logo, não poderia existir o destino. E se este existe, no sentido de predestinação, não pode existir o livre arbítrio.

Numa dessas vezes, quando a reunião terminara, procurei conversar com um dos padres, procurando sondar sua opinião e ao mesmo descobrir se ele tinha o mesmo pensamento meu, ou se também era adepto de que existiria o chamado destino humano. Ele deu uma resposta sibilina, enigmática, que eu interpretei como se ele estivesse se equilibrando em cima de um muro, ou tateando nas trevas de dúvidas e indecisões. O certo é que eu não o compreendi completamente. Hoje, passadas mais de três décadas e meia, penso que ele tinha uma postura mista, em que o destino não era totalmente descartado, como uma possibilidade, ainda que parcial ou que pudesse sofrer modificação ou interferência humana.

Com a maturidade, já começando a descambar para a chamada terceira idade, verifico que nunca um homem tem controle total sobre sua vida; que todos dependem de certas circunstâncias e acontecimentos, que lhe podem ou não ser favoráveis; que a vida de um homem, a começar pelo seu nascimento, é cheia de tempos e contratempos, de percalços, de acidentes de percurso, de fatos fortuitos ou aleatórios, de acontecimentos que não poderíamos prever, de acontecimentos que independem de nossa vontade ou poder decisório.

Vou mesmo além: se o óvulo de sua mãe tivesse sido fecundado por um outro espermatozóide, entre os milhões que disputavam a maratona em busca do único óvulo disponível, um homem seria outro homem. Por outras palavras, os acontecimentos se vão sucedendo, e nós vamos indo, às vezes de roldão, influenciando e sofrendo influência, tentando impor as nossas vontades, os nossos desejos. Em suma, tentando exercer influência. Em muitos casos, temos poder decisório, mas esse mesmo limitado pelas leis, pelos fatos, pelas convenções sociais, pela nossa personalidade, que por sua vez foi moldada pela herança genética, pela educação, pela experiência de vida, pela inteligência, e assim por diante.

Para não me alongar, parece que nada é absoluto neste mundo. A relatividade parece ser uma certeza, ou, ao menos, uma certeza relativa. Na mecânica quântica existe o princípio da incerteza; quanto mais um ponto é determinado, mais a velocidade se torna imprecisa. Por outro lado, cada vez são descobertos mais mistérios no mundo do infinitamente pequeno, como certas subpartículas de comportamento bizarro. Dizem que algumas parecem ora se comportar como ondas, ora como matéria.

Até a ideia de Einstein de que nada poderia suplantar a velocidade da luz parece estar sendo superada, pois o neutrino, uma subpartícula atômica, que não se detém ante nada, como se fosse um espírito, um ser (quase) imaterial, seria mais veloz que a luz. Agora mesmo, os cientistas estão a rastrear o chamado bóson de Higgs, apelidado de partícula de Deus, do qual parecem vislumbrar tênues indícios, ainda não totalmente comprovados. Em síntese: existem muitas incertezas e muitas coisas e acontecimentos sobre os quais não temos nenhum controle.

Diante de tudo isso que acabo de expor e ante as descobertas em torno do código genético (DNA), faço uma pequena revisão em minha crença de que o destino, no sentido de predestinação, não existiria. Ao que parece, algumas heranças genéticas parecem influenciar o comportamento do ser humano. Nesse aspecto, algumas pessoas poderiam ter predisposição para adotarem certos comportamentos, certas atitudes. Se isso for realmente confirmado, alguns crimes e pecados poderiam ser cometidos por causa do tipo de DNA do portador? E se isso for verdade, qual o grau de culpabilidade da pessoa, até que ponto ela seria responsável pelo seu pecado ou crime? De qualquer maneira, isso não elide o fato de que a sociedade tem necessidade de se defender dos criminosos e violentos, sejam eles sanos ou insanos, psicopatas ou não.

Outro dia, ouvindo meu pendrive, que tem mais de mil músicas, que fui selecionando ao longo de várias décadas, através de discos de vinil, de CDs, de mp3, da internet, etc, e que uso sempre no modo de seleção aleatória, ou seja, através do programa que faz uma espécie de “sorteio” das músicas, pensei na vida e no destino. Quando, por algum motivo, eu não estava disposto a ouvir a faixa “sorteada”, eu apertava o botão que provocava nova escolha aleatória. Quer dizer, eu tinha o poder de elidir, naquele momento, aquela determinada canção, entretanto eu não tinha o poder de escolher que música viria a seguir.

A vida, fazendo uma analogia, permite que descartemos algumas “músicas”, mas parece não nos dar muito poder de decisão sobre o que nos reserva o futuro, pois todos influenciamos e somos influenciados, numa tremenda interação, em que todos decidem algumas coisas, no varejo, e são destinatários, no atacado, de decisões alheias, coletivas ou individuais. Ortega y Gasset disse que “eu sou eu e minhas circunstâncias”. Sem dúvida. De acordo. Entretanto, com certeza, em muitas ocasiões, ele não foi o artífice de suas próprias circunstâncias. Como diz minha mãe, nós não sabemos sequer de que modo iremos morrer. Por isso mesmo, os humildes e precavidos, rezam para ter uma morte.

3 comentários:

  1. Joserita Melo CArvalho18 de dezembro de 2011 10:28

    Sabe meu irmão eu acredito em uma vida traçada por DEUS, mas como tá na bíblia temos o livre arbítrio, podemos seguir caminhos escolhidos por nós mesmos, muitas vezes escolhas de nossa própria vontade, outras devido as circunstâncias que nos são impostas, o certo é que como tu mesmo disse aí, e eu concordo com isso, "verifico que nunca um homem tem controle total sobre sua vida; que todos dependem de certas circunstâncias e acontecimentos, que lhe podem ou não ser favoráveis; que a vida de um homem, a começar pelo seu nascimento, é cheia de tempos e contratempos, de percalços, de acidentes de percurso, de fatos fortuitos ou aleatórios, de acontecimentos que não poderíamos prever, de acontecimentos que independem de nossa vontade ou poder decisório". As vezes fazemos uma escolha entre uma coisa e outra, se escolhemos esta, depois ficamos a pensar como seria se tivéssemos escolhidos aquela. É isso, ninguém nunca vai saber, na hora, que decisão seria realmente a melhor.

    ResponderExcluir
  2. Muito bem, você captou com muita precisão e perspicácia o que eu quis dizer. Entendeu perfeitamente o raciocínio que tentei desenvolver.

    ResponderExcluir
  3. Penso que, enquanto seres dotados de livre arbítrio, sempre temos pelo menos duas escolhas. Cada uma delas vai gerar uma cadeia de possibilidades tal qual o esquema gerado em análise combinatória. Os caminhos que podemos trilhar durante a nossa existência lembram as ramificações formadas em um formigueiro. Muitas vezes, apesar de escolhermos um "caminho", posteriormente chegamos em uma bifurcação que nos leva a um lugar onde chegaríamos se tivéssemos escolhido outra via. A vida é assim, tanto há intersecções entre as possibilidades, quanto há inúmeros cruzamentos entre as nossas escolhas e as dos outros. Estamos constantemente vivendo as consequências de nossas escolhas e as dos outros.

    ResponderExcluir