quarta-feira, 14 de outubro de 2015

O NAVIO ALINE RAMOS – Parte I


O NAVIO ALINE RAMOS – Parte I

Antonio Gallas (*)

...de exuberante cargueiro a um amontoado de ferro velho...

            Os que nasceram depois dos anos 80 estão longe de imaginar que aquela carcaça de navioencalhado na praia da barra em frente a Pousada Embarcação já foi atração turística que atraiu milhares de olhares curiosos para ver  o exuberante cargueiro de bandeira brasileira batizado com o nome de Aline Ramos que encalhou na ponta da Ilha do Caju nas proximidades da entrada  da barra do Carrapato exatamente no dia 16 de novembro de 1981 por volta das 19 horas e 40 minutos, conforme descrito no Processo nº 11.069 do Tribunal Marítimo e publicado no Anuário de Jurisprudência do mesmo tribunal .

            Consta que o navio ficou encalhadona seguinte posição:Latitude: dois graus,quarenta e umminutos e três segundos ao Sul do Equador (02°41’03”S) e longitude quarenta e dois graus,doze minutos e trinta e seis segundos a Oeste do Meridiano de Greenwich (42°12’36”W)conforme citado nas folhas 66 do mesmo processo.

            A tripulação do navio incluindo o comandante e imediato era composta por 17 pessoas assim distribuídas: 02 (dois) condutores motoristas, 02 (dois) moços de convés, 02 (dois) marinheiros de convés,01 (um) taifeiro, 01 moço-de-máquina,o radiotelegrafista, o eletricista, o chefe de máquinas, o segundo maquinista, 01 (um) mestre de pequena cabotagem, 01 (um) carvoeiro, o imediato, 01 (um) segundo piloto e o comandante, capitão-de-cabotagem.

            Mas como o exuberante mercante brasileiro foi parar na praia da barra para se transformar num amontoado de ferro velho, numa carcaça corroída pelo sal e deterioradapela ação do tempo?  E por que o navio encalhou antes de chegar ao seu destino, o porto da Ilha do Igoronhon? 

            Nos autos do processo já citado no caputdeste artigo, consta queocomandante da embarcação, capitão-de-cabotagem Ruy Edi Ribeiro Gomesera homem do mar com muita experiênciae conhecia muito bem o canal, pois por diversas vezes já havia entrado no Porto de Tutóia.

            Outro fato intrigante com relação ao Aline Ramos é que a embarcação dispunha a umavelocidade entre 09 a 10 nós, o  que representa em  média de 18 quilômetros por hora. No processo que foi aberto contra ocomandante da embarcação eo seu imediato para apurar as causas do acidente,  consta,  também,  que as condições de navegabilidade no momento eram boas, embora a noite estivesse escura.

            No depoimento do imediato do Aline Ramos, sr. Nelson Ferreira Tenório, ele afirma que no momento do encalhe  a embarcação  estava navegando apenas  com a agulha magnética e de sonda porque o radar “pifou poucos minutos antes do través de Canárias” ( SIC)e que apenas estes dois  equipamentos não ofereciam condições adequadas para a navegabilidade com segurança, enquanto que a defesa do comandante insiste  em afirmar que o que causou o encalhe foram a correnteza e os fortes ventos NE(  ventos que sopram do Nordeste).

            Mais uma vez voltamos à pergunta: por que o navio Aline Ramos encalhou? E por que ele foi abandonado na Praia da Barra em Tutóia há trinta e quatro anos atrás?  Por que nenhuma providência foi tomada para retirá-lo de lá? Queimpacto pode ter causado ao meio ambiente?  De ondepartiu o Aline Ramos? Qual seria o destino da embarcação? Estas e outras respostas,além de outros detalhes o leitor ficará sabendo na próxima edição de nosso jornal.

(*) AntonioGallas é professor, poeta, jornalista e escritor. Membro da Academia de Ciências Artes e Letras de Tutóia – ACALT , do Instituto Histórico Geográfico e Genealógico de Parnaíba  - IHGGP e Secretário da Associação dos Comunicadores de Parnaiba – ASCOMPAR.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário