quinta-feira, 31 de março de 2016

O TRIUNFO DO TREMEMBÉ




Os aventureiros comemoram, com dois visitantes, o sucesso da expedição Barra do Longá e o triunfo do super Tremembé

O TRIUNFO DO TREMEMBÉ

Elmar Carvalho

Na sexta-feira desta Semana Santa saí direto de Teresina para a Várzea do Simão, com o objetivo de inaugurar, no sábado de Aleluia, o motor de popa Yamaha, 15 HP, dois tempos, que comprei através da internet na Paraqueda Náutica, por indicação do amigo Roberto Carlos Sales da Silva, brioso delegado da Polícia Civil do Piauí, de cuja Academia é reitor.

O equipamento se destinava a mover o pequeno barco de alumínio, que designei como Tremembé, em homenagem aos bravos indígenas, que antigamente percorriam o delta do Parnaíba. A saga desse barco, como muitos de meus leitores sabem, foi infelizmente inglória. Farei, como dizem os juristas em seus floreios de linguagem, uma apertada síntese.

O projeto inicial era muito simples e muito modesto. Comprei um barco inflável modelo Cheyenne 500, através do site da loja Submarino. Fiz duas viagens, sem nenhum acidente ou uso indevido. Quando fui usá-lo pela terceira vez, no intervalo de apenas três meses, descobri que o equipamento estava descolado, na parte que liga o fundo à borda, o que o tornou inservível.

Fiz contato com a Submarino, para que resolvesse o problema, mas ela se negou a isso, alegando que já se passara mais de sete dias. No meu parco entendimento, essa empresa deveria encontrar uma solução, já que se tratava de defeito oculto (ou vício redibitório), podendo ela, depois, usar o chamado direito de regresso contra o fabricante, sediado no estrangeiro, mas não empurrar a parte mais fraca para resolver esse ônus.

Logo constatei que o motor de 2,6 HP que eu havia comprado para o barco inflável era insuficiente para o barco de alumínio que eu adquirira por causa do defeito do inflável. Fui aconselhado pelo advogado Carlos Eduardo, experiente em motonáutica, a adquirir um de 15 HP, que seria o ideal para o tamanho e peso do meu casco. Então, seguindo a orientação do comandante Roberto Carlos, sempre em ritmo de aventura, fiz o negócio referido no primeiro parágrafo.

Como o comandante Natim Freitas, que antes demonstrava ser um panteísta, dissesse que havia feito uma promessa com Santa Luzia, padroeira do povoado Barra do Longá, seguimos eu, ele, Francisco Ribeiro e o Didi para essa localidade, distante aproximadamente 18 km a montante. O rio Parnaíba estava muito cheio, com forte correnteza. Após a ponte do Jandira, percurso por nós desconhecido, vimos belas paisagens, sobretudo agora, em que se mostravam verdejantes, por causa das chuvas.

Em certo trecho, vimos uma comunidade, talvez familiar, com as casas encarapitadas em imponente morro, situado numas das curvas do Velho Monge. Noutro local, umas grandes pedras formavam uma espécie de estreito, que tornavam as águas revoltas. Nosso hábil timoneiro venceu essa corredeira, sem nenhum acidente ou sobressalto.

No decorrer da viagem o Natim, com o aval do Francisco Ribeiro (que em seus 73 anos de vida demonstrou mais vitalidade e preparo físico que nosotros), nos contou que seus saudosos avós João Simão e Filomena, meus sogros, na embarcação Borboleta, com a ajuda de uma vela, iam participar dos festejos de Santa Luzia. No retorno, embora a correnteza fosse a favor, o vento soprava em sentido contrário, de modo que a vela era arriada. Por esse motivo, os filhos Pedro, Beré e Zuza, na época jovens e fortes, empunhavam os remos com todo vigor e velocidade.

Atracamos na comunidade Barra do Longá, em local perto da ermida. O mestre Natim se dirigiu ao templo, que se encontrava fechado. Ante esse óbice, ele espalmou suas mãos sobre a madeira da porta e rezou contrito, como convinha. A viagem de retorno, rio abaixo, não teve, felizmente, nenhum percalço ou acontecimento notável, com exceção do vento forte, que provocava fortes ondulações, quase pequenas pororocas, nos causando a sensação de cavalgada fluvial.

Enfim, chegamos ao nosso porto seguro. Após retirarmos o triunfante Tremembé do rio, fomos comemorar a venturosa aventura na Toca do Velho Monge. O Natim Freitas nos esclareceu que em suas orações pedira que uma forte chuva caísse sobre a Várzea do Simão. Outrora os coronéis da política interiorana eram chamados algo talvez ironicamente de mandachuvas. Logo após suas palavras, uma torrencial chuva nos afagou a pele, tornando a tarde mais agradável e mais abençoada.

O autoproclamado mago Paulo Coelho, autor de O Alquimista, O Diário de um Mago e A Bruxa de Portobello, afirmou ver anjos e que sabia produzir chuva, embora tenha acrescentado, numa crise de humildade, que vira apenas as asas angélicas, e que esses atributos não eram importantes. Assim, tenho como certo que, atualmente, apenas o bruxo Paulo Coelho e o comandante Natim Freitas fazem chover.

Estou até pensando em mudar o nome do Natim, por causa de sua bravura, para Mandu Ladino, o grande líder indígena, que comandou a confederação tribal de que faziam parte os Tremembés, já que ele é também intrépido piloto do agora super Tremembé, de gloriosa saga, apesar de todos os percalços e embaraços, que já enfrentou.  

3 comentários:

  1. Parabéns ao Super Tremembé e aos Argonautas que sob o tirocínio do comandante Elmar Carvalho venceram as águas revoltas do velho Monge.
    Grumete Araújo

    ResponderExcluir
  2. Prezado Elmar,
    Excelente narrativa de mais uma aventura da sua trupe pelo nosso Velho Monge.
    Ben-Hur

    ResponderExcluir
  3. Meus caros Araújo e Ben-Hur,
    Eu sou apenas um humilde marinheiro de água doce e jamais chegarei a ser um Ulisses ou Colombo, antes pelo contrário do avesso do anverso.
    Abraço,
    Elmar

    ResponderExcluir