segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Antologia - Baião de todos


Antologia - Baião de todos

Geraldo Borges

Há três opções para uma leitura da antologia – Baião de Todos, editada pela Fundapi, e organizada por Cineas Santos e Keula Araujo. 2016, Teresina Piauí.

A primeira seria aleatoriamente, abrindo aqui e ali, uma pagina do autor que chamasse atenção do leitor, por simpatia, ou, mesmo, por preferência de estilo, titulo e tema; e saboreando ao seu bel prazer, até mesmo por que a antologia é um leque de várias cores temática, um mergulho nas profundezas da alma dos poetas na luta com a inspiração.

A segunda leitura seria a linear, quer dizer, a forma em que o livro foi montado. Ordem alfabética de A W, terminando com o Wiliam Soares o consagrado poeta de nossa cidade e que vive levitando pelas ruas com o seus passos em câmara lenta.

A terceira leitura seria em ordem cronológica, o que poderia muito bem explicitar os estágios da poesia brasileira de expressão piauiense. Claro que esta leitura não é possível, já que a antologia não foi organizada em ordem cronológica. Mas, pensando bem, as sintéticas informações biográficas, em parte, ajudam bastante ao leitor que se propõe a estudar com mais empenho a nossa literatura.

Quanto a ilustração a capa do meu amigo Amaral é muito bonita. Uma revoada de pássaros. Poesia. Mas não reflete o miolo da antologia, que, no meu entender, é a contradição do novo na luta contra o antigo. A não ser que a revoada de passarinhos signifique um bando de poetas perplexos em sua cidade sitiada.

Quanto a qualidade da antologia Baião de Todos é um bom prato, pena não ter aparecido mais convidados. A gente ler e fica lambendo os beiços. Tem sabor para todos os paladares, os mais bizarros e esquisitos. Os poetas surpreendem, tanto os mais novos como os mais antigos. Uma das características dos poetas é cantar a sua terra. Celebrar a sua aldeia. E o que tem de sobra em Baião de Todos. Vejamos. Graça Vilhena:

“ No mercado central
As verdureiras arranjavam
Buquês de cheiro verde “

Os exemplos são muitos, o leitor pode conferir no livro. Os poetas mais antigos falam de uma velha província, que jamais será restaurada a não ser na memória e imaginação dos poetas. Os poetas mais novos, que cresceram dentro de um cenário de uma cidade em transição, que se verticalizou em concreto, cantam sua cidade dentro de outro compasso. Uma cidade estilhaçada por contradições. Contradições bem colocadas como se pode ler nos versos de Lívia Maria;

‘ Amar é ter uma bicicleta
mesmo morando no terceiro andar
E sentir uma euforia quando tudo é cansaço ‘

Exemplar. A bicicleta é o novo instrumento da modernidade que terão de enfrentar os novos poetas do Baião de Todos. A maioria não acredita mais em musa, essa velha puta romântica. Por isso mesmo terão que pedalar muito e sentir euforia quando tudo é cansaço. Porque sem alegria e estudo não existe inspiração.

Fonte: blog Piauinauta

Nenhum comentário:

Postar um comentário