segunda-feira, 17 de julho de 2017

Manuel Antônio da Silva Henriques


Manuel Antônio da Silva Henriques

Reginaldo Miranda

Foi um abastado comerciante, fazendeiro e militar piauiense, nascido na vila de São João da Parnaíba, hoje cidade de Parnaíba, por volta de 1773, filho do comerciante português, natural da freguesia de Padornelos, Concelho de Montalegre, no extremo-norte de Portugal, radicado no Piauí, João Dias da Silva e de sua esposa. Era sobrinho paterno do negociante Domingos Dias da Silva, irmão de seu pai, falecido na vila de São João da Parnaíba, em 17 de dezembro de 1793, deixando avultados cabedais e tendo o sobrinho Manuel Antônio da Silva Henriques, por testamenteiro. Por curiosidade, o falecido tio paterno deixou duas partes de seus bens aos pardos Simplício Dias da Silva e Raimundo Dias da Silva, filhos ilegítimos e órfãos; e de sua terça, legou uma parte aos parentes no Reino e outra a algumas corporações de Pernambuco e do Reino, bem como para pessoas pobres, viúvas e órfãos. Foi seu avô paterno José Dias da Silva, vereador e juiz ordinário na freguesia de Padornelos, onde sempre viveu e faleceu, e sua esposa dona Maria Gonçalves, também falecida no Reino; e bisavô Manuel da Silva e dona Ana de Oliveira, todos naturais e radicados em Portugal.

Foi casado com dona Maria Victória Thomazia Clara, filha do sargento-mor Manoel Pinheiro Osório, português de Valongo, radicado em Oeiras, e de sua esposa Joana Thomazia Clara. Entre as irmãs de sua esposa consta Maria Bárbara da Anunciação, que foi casada com o militar maranhense de ascendência portuguesa Francisco Xavier de Miranda Machado, pais do tenente-coronel Manoel Pinheiro de Miranda Osório e do coronel José Francisco de Miranda Osório, este último seu genro, daí dizer-se ter sido ele seu tio e orientador. De fato, era tio por afinidade.

Do referido consórcio deixou o capitão Manuel Antônio da Silva Henriques, os seguintes filhos: 1. D. Mathildes Nonata Angélica da Silva, nascida em 1795, que com apenas 9 anos de idade, em 27 de dezembro de 1803, conforme contrato de doação esponsalícia, foi prometida e contratada em casamento com o rico comerciante Manuel José da Cunha, de 45 anos de idade, radicado em Parnaíba, mas natural da freguesia de Lamedo, Arcebispado de Braga, Portugal, filho de Antônio da Cunha e Dona Perpétua da Cunha; 2. D. Angélica Rosa Umbelina da Silva, que fora casada com o referido primo materno, José Francisco de Miranda Osório, também biografado nesta obra; 3. D. Leonor Sebastiana Henriques da Silva, prematuramente falecida, solteira, antes do genitor; 4. Domingos Dias da Silva Henriques, cujo nome foi uma homenagem ao tio-avô; e, 5. Ricardo Henriques da Silva, que em 1804, recebeu em doação, duas partes dos bens de Manuel José Vieira de Abreu.

Manuel Antônio da Silva Henriques, desde cedo, ingressou no comércio, ao lado do genitor e do tio, respectivamente, João Dias da Silva e Domingos Dias da Silva, empresários de iniciativa e pioneiros no comércio parnaibano, onde chegaram em 28 de março de 1772, ao que se supõe. Porém, o pai faleceu muito cedo, tendo recebido do tio importantes orientações no início de sua vida comercial.

Herdando grandes cabedais e sabendo multiplicá-los, graças ao tino comercial, tornou-se um dos homens mais ricos do Piauí, ao lado dos referidos primos, Simplício e Raimundo Dias da Silva. Foram eles grandes comerciantes em Parnaíba. A casa comercial do capitão Manuel Antônio da Silva Henriques foi uma das mais respeitadas do Nordeste.

Diversificando suas atividades empresariais, investiu também em fazendas com grande rebanho de gado vacum espalhado pelas capitanias/províncias do Piauí, Maranhão e Rio Grande do Norte.

Ingressando na carreira militar, sentou praça de soldado na 5ª Companhia do Regimento de Cavalaria Auxiliar da Capitania, sediado na vila de Campo Maior, em 1º de janeiro de 1793. Em 11 de setembro do ano seguinte foi promovido ao posto de Porta-Estandarte do mesmo Regimento.

Entre os anos de 1794 para o de 1795, foi eleito para o cargo de Juiz da irmandade de Nossa Senhora da Graça da vila de Parnaíba, onde morava, e sua mulher em Juíza, onde, juntamente com o procurador Antônio Joaquim Simões da Veiga, fizeram um novo estatuto para melhor administração. Nos festejos de Nossa Senhora da Graça, relativa ao último ano indicado, o procurador da dita entidade distribuiu três medidas da mesma senhora, com o epíteto e franjas de ouro, patrocinados pelo dito casal, com a colaboração do parente Simplício Dias da Silva. Nesse tempo saiu ele, juntamente com o indicado primo, em grande campanha de arrecadação de donativos pelos moradores da vila e sócios da irmandade, conseguindo a importância de 751$480 réis, com que douraram e pintaram o teto da capela maior.

Progredindo na carreira das armas, em 5 de fevereiro de 1795, por ato do capitão-general Fernando Antônio de Noronha, foi promovido ao posto de capitão da mesma Companhia, na vaga aberta com a reforma de Vicente Torres da Costa. Era coronel desta Companhia o Sargento-mor Manoel Pinheiro Osório, seu sogro. Este ato de nomeação foi confirmado por Ato Real datado de 13 de maio do mesmo ano.

No ano de 1796, estando em São Luiz do Maranhão com uma sumaca sua e de seu primo, capitão Simplício Dias da Silva, a pedido do governo, aprontou-a à sua custa, para guarda da costa e dos comboios aos navios daquela praça, prestando assim relevante serviço.

Em 1800, servia na Guarnição de que era coronel Luís Carlos Pereira de Abreu Bacelar. Nesse mesmo tempo assumira o posto de Comandante da vila de Parnaíba e da fortificação da sua respectiva barra e costa. Então, com zelo e prontidão edificou e municiou, à sua custa, o reduto daquela barra do Parnaíba, fazendo disciplina e sustentando os soldados, de forma a garantir o bom e pronto cruzamento dos navios e fragatas de guerra.

Esse cidadão benemérito tinha também sonho de grandeza, tendo pleiteado em 1800, a mercê do hábito da Ordem de Cristo e o foro de Cavaleiro Fidalgo da Casa Real.



Foi, porém, um grande piauiense com larga folha de serviços prestados à sua terra, merecendo o respeito e a consideração das gerações vindouras. Faleceu em Parnaíba, dia 8 de março de 1827, onde foi sepultado. Deixou grande fortuna e um exemplo de trabalho e capacidade empreendedora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário