quarta-feira, 1 de setembro de 2010

DIÁRIO INCONTÍNUO



1º de setembro

OS BICHANOS

Elmar Carvalho

Dias atrás, a Francisca Maria descobriu três gatinhos, que o dono abandonou, covarde e sorrateiramente, na frente de minha casa. Os meninos do colégio defronte, principalmente as garotas, olhavam os bichanos com simpatia, mas ninguém se dispunha a levá-los para criar. Mas terminaram sendo acolhidos, um a um, através de incentivos recíprocos de colegiais. Isso me fez lembrar a grande quantidade de gatos abandonados, que vagam por entre os túmulos e alamedas do cemitério São José, uma das mais antigas construções de Teresina. Não sei de que sobrevivem os bichanos do campo santo. Por associação de ideias, recordei-me de uma reportagem televisiva, que narrava o episódio de um gato extremamente apegado ao dono; quando este faleceu, o bichano passou a residir em seu mausoléu. Não se sabe como, entre as centenas de sepulturas da imensa necrópole, o animal conseguiu localizar a de seu dono. Entre as hipóteses aventadas, falou-se de que o gato se guiara pelo olfato, através do qual rastreara o cheiro do falecido. De minha parte, não descarto a possibilidade de que esse animal possa ter outros sentidos, que desconhecemos, algo como uma intuição afinada, uma espécie de sintonia fina ou mesmo um sexto ou sétimo sentido. Sempre se falou que gatos são meios misteriosos e que teriam sete vidas.

Soube, tempos atrás, que um fato interessante aconteceu no velório de um primo de meu pai, chamado Gonçalo Furtado de Carvalho. Esse parente nascera em Piripiri, mas se radicara em Esperantina, onde se tornara uma pessoa estimada, graças ao seu bom caráter e serviços prestados. Deixou um livro de poemas. Tinha ele um gato, de raça afamada pela beleza. O bichano lhe tinha verdadeira veneração, e era correspondido na mesma intensidade. Quando Gonçalo faleceu, o bichano como que participou do velório. De tardezinha, na hora da saída do cortejo fúnebre, o gato inesperadamente saltou para cima da urna funerária, e começou a beijar com sofreguidão o tórax de Gonçalo, como se estivesse se despedindo. Ou como se pretendesse acordá-lo. Parecia saber que não mais o veria, e quisesse, dessa maneira, externar, da forma mais carinhosa e sentida que podia, a sua homenagem, gratidão e amor. Creio que quem mereceu tão enfática e comovente homenagem de um ser, que muitos chamam de bruto, só pode ter sido um homem verdadeiramente bom.

5 comentários:

  1. Carísimo bardo,
    Embora eu não concorde, tive notícias de teorias que afirmam que certos animais são a reencarnação de pessoas que morreram e tiveram uma nova oportunidade de conviver com seus entes queridos aui na Terra. Inclusive até foram transmitidos por canais de TV alguns filmes com essa temática. O fato é que, independente da existência da reencarnação, todos os seres vivos devem ser tratados com amor, tendo como consequência natural a reciprocidade mesmo daqueles que são portadores dos "corações" mais duros.

    ResponderExcluir
  2. Poeta, estou aqui pra lhe pedir um favor,

    sempre estou pela Banca do Louro, e ele lhe preza muito, como gente e como poeta,

    eu me meti a escrever e gostei do escrevi, tenho um blog onde mostro esses textos e outras coisas,

    bom, o favor é q vc leia, se achar agradável a leitura, e me diga sua opinião sobre os textos, meu sonho é ter um livro publicado, mas gostaria de um aval de respeito,

    grato,

    aqui estão alguns links de alguns textos

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2008/05/texto-1.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/11/cmulo-da-pedofilia.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/11/bar-spring-o-ltimo-q-fecha.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/10/teresina-acreditem-faz-frio.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/04/memrias-postas-atrs-no-cubas.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/04/tristesa-minha-alegria.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/02/1370-1421-1431-1492-1500-2007.html

    http://querumbloggratuito.blogspot.com/2007/01/vivaldi.html

    qualquer referência pessoal, é só perguntar ao Louro

    abraço

    espero resposta

    ResponderExcluir
  3. Me lembrei de ser educado, rsrsrs

    vou comentar,

    não sei se é de seu tempo, ou de sua região,

    mas, em Parnaíba, na minha infância (seria mesmo minha? ou seria eu dela?), era praxe se ver meninos e meninas passeando de bicicleta com um côfo no guidom, e dentro do côfo vários gatos (q seriam jogados em um local ermo),

    o diabo é q os gatos geralmente regressavam, e lai vai os meninos com os côfos de novo... ad infinitum

    abraço

    ResponderExcluir
  4. Caro Dourado,
    Dei uma olhada em alguns textos. Logo de início, deu para perceber que vc tem talento, criatividade, muita imaginação e uma linguagem moderna. Também deu para notar que vc gosta de ler os bons autores, pelo que percebi em suas intertextualidades. Tem também senso de humor, o que acho importante, e considero sinal de inteligência. Notei que cultiva a concisão, o que é recomendável, nesses tempos apressados e de leitores impacientes. Portanto, siga em frente. Como dizem os mais jovens, vc manda bem.

    ResponderExcluir
  5. José Teixeira Pacheco13 de novembro de 2010 22:09

    Olá meu caro poeta, saudações!
    Enveredei um pouco pelo seu blog e pude perceber, pela diversidade do assunto, a sua criatividade e versatilidade. Muito interessante. Parabens!
    Zou o Zé Teixeira, filho de Regeneração. Em janeiro estarei por aí lançando o projeto Alimentando com Letras: Construindo e Aprendendo Valores pela Contação de História, que agrega a revista de história em quadrinhos, uma coleção com 3 volumes.
    Um grande abraço!
    Zé Teixeira.

    ResponderExcluir