quarta-feira, 10 de novembro de 2010

DIÁRIO INCONTÍNUO

Colaboradores do jornal Inovação, sob o cajueiro de Humberto de Campos. 1º plano: Bartolomeu Martins, Vicente de Paula (Potência), Elmar Carvalho e Canindé Correia; 2º plano: Francisco Fontenele de Carvalho (Neco), Diderot Mavignier, Francisco José Ribeiro (Franzé), Sólima Genuína, B. Silva e Reginaldo Costa; 3º plano: Danilo Melo, Jonas Fontenele de Carvalho, Israel Correia, Porfírio Carvalho, Wilton Porto, Alcenor Candeira Filho, Flamarion Mesquita e Paulo Martins


Colaboradores do Inovação, quase todos residentes em Brasília: Porfírio Carvalho, Cícero, Ana Alice, Cândida, Jonas Carvalho, Madeira Basto, Reginaldo Costa, Ivana, Rinaldo e Ernesto Magalhães

10 de novembro

A SAGA DO INOVAÇÃO

Elmar Carvalho

Há vários dias o romancista Assis Brasil me pediu que lhe conseguisse uma cópia da entrevista que concedera ao saudoso jornal Inovação, muitos anos atrás. Nas vezes em que fui a Parnaíba, tentei consegui-la através do Francisco José Ribeiro (Franzé), companheiro do Reginaldo Costa na feliz iniciativa de fundarem o periódico. Soube que um filho dele estava escaneando todos os números do Inovação, o que seria muito importante para os pesquisadores e interessados, pois apenas o Franzé e o Reginaldo tinham a coleção completa dos números publicados. Em “Jornal Inovação – um Depoimento”, que publiquei em vários livros e na internet, contei a saga do jornal, suas lutas, suas dificuldades, suas atividades culturais, como biblioteca, suplementos (encartes), pesquisas sociais e promoções de eventos e palestras. Nesse trabalho, eu dizia que a história do órgão bem se prestaria a uma tese de doutorado ou a uma dissertação de mestrado. Tenho conhecimento de que alguns estudantes escreveram ou estão escrevendo a esse respeito. O Reginaldo Costa, seu principal baluarte, escreveu um livro sobre o Inovação, infelizmente ainda não publicado, que será de grande valia para o conhecimento da efervescência cultural que Parnaíba então viveu. Através do Vicente de Paula, o nosso bravo Potência, ou do Canindé Correia, ambos colaboradores assíduos do jornal, recebi, meses atrás, um cd com a digitalização de todos os seus exemplares, graças ao esforço de um dos filhos do Franzé. Acabo de imprimir o número que traz a entrevista de Assis Brasil, concedida ao Francisco Fontenele de Carvalho (Neco), no Rio de Janeiro. Entrevista bem feita, longa, de rico conteúdo, recheada de reminiscências, quando o escritor ainda não retornara ao Piauí, nem mesmo a passeio. A capa assinalava: Ano VII – Nº 50 – Parnaíba, 31 de outubro de 1984. Sei que vai causar muita emoção ao Assis Brasil, quando eu lhe entregar o exemplar que fiz imprimir.

Membros do jornal Inovação, no bar Recanto da Saudade, de propriedade do saudoso dom Augusto da Munguba

Capa do jornal Inovação, ano VII, nº 50, edição de 31.10.1984, na qual foi publicada a entrevista concedida pelo escritor Assis Brasil

Aproveitei para ver, virtualmente, vários números, que tive em minhas mãos, em papel, ainda quase com a tinta fresca, ainda quente, como um pão que tivesse acabado de sair do forno. Emocionei-me. Voltei a me sentir aquele garoto vibrante, entusiasmado, cheio de sonhos e ideais, a exalar poesia e literatura por todos os poros. Recordei as lutas e o idealismo do Reginaldo Costa para publicar o “monstrinho”, como eu e ele, brincando, chamávamos o periódico. Achávamos que estávamos contribuindo para destruir a ditadura militar, que no início do jornal (dezembro de 1977) ainda era muito forte. Folheando digitalmente esses velhos números, recordei os amigos, que foram colaboradores assíduos do jornal. Em homéricas degustações de crustáceos, que os imbecis chamam de caranguejos, em tirada pacamônica, regadas a cerveja, o Reginaldo Costa, o Canindé Correia, Bernardo Silva, De Paula e este diarista, traçávamos a pauta e planejávamos as estratégias de sobrevivência do jornal, que estava sempre enleado em dificuldades financeiras, sobretudo quando não mais pode ser editado em Parnaíba, em consequência de represálias a sua linha independente e ousada. Escritores, poetas, intelectuais e artistas plásticos da estirpe de Canindé Correia, Alcenor Candeira Filho, De Paula, Ednólia Fontenele, João Maria Madeira Basto, Wilton de Magalhães Porto, Danilo Melo, Israel Coreia, Jonas Carvalho, Airton Menezes, Ana Alice, Sólima Genuína, Olavo Rebelo, Flamarion Mesquita, Bartolomeu Martins, Paulo Martins, etc. foram seus colaboradores. Várias outras pessoas, que não escreviam, o ajudaram, de uma forma ou de outra. Quase todos éramos amigos fraternos, e estávamos sempre em contato, seja para discutir o jornal, seja para conversar em nossos momentos de lazer. Vendo as fotografias do rio Igaraçu e das ruas inundadas, comprovei, mais uma vez, que naqueles idos já denunciávamos a lenta agonia do Parnaíba, a devastação dos mangues, a exploração predatória dos caranguejos e os descasos da administração pública. Folheando, através da tela do monitor, essas velhas páginas do Inovação, senti emoção e saudade, do jovem emotivo e sentimental que fui e dos amigos que citei; das longas viagens de motocicleta que fiz, na companhia do Reginaldo Costa, a serviço do jornal ou para acampar, por simples espírito de aventura, em plagas distantes, como Sete Cidades e Camocim. No topo das barracas, o Reginaldo fixava a bandeira improvisada do jornal Inovação. Poderia dizer que essa bandeira continua a tremular, para sempre fincada em minha memória e em meu coração.



Caro poeta,

No feriado de finados também pude ver vários números do jornal
Inovação através do PC. Uma estudante da Uespi escreveu sua
monografia a respeito do "monstrinho" e me entrevistou sobre minha
participação no dito cujo. E depois, presenteou-me com com um CD com
todos os números. Ela teria sido presenteado com tal preciosidade pelo
Franzé Ribeiro.
Revendo seus escritos, sempre me vem a saudade e a vontade
de fazer tudo de novo.Ou pelo menos promovermos um encontro com os
amigos mais "íntimos", que colaboraram com o jornal, para matarmos
saudades comendo caranguejo no Cornélio (ainda existe), tomando uma
cerveja, enquanto podemos. Amanhã poderá ser tarde.
Obrigado pelas citações ao meu modesto nome. Minha autoestima
vai ao infinito.
Saudações inovadoras.

B Silva




Caro poeta Elmar, 
Q satisfação ler o seu texto. O Inovação sempre estará na nossa memória e do parnaibano como um todo. Bem do sofrimento de todos aqueles q realmente se integraram ao grupo. Eu mesmo tentei várias vezes vender o jornal, conseguir propaganda. Era muito difícil. As muitas críticas dificultavam assinaturas por parte dos comerciantes. Foi qdo surgiu a ideia de se lançar o Litoral News.
Os comerciantes não sabiam q esse jornal de linguajar praiano e mostrando lindas moças e belas praias era editado pelo Movimento. Assim se conseguiu algumas verbas.  "Um encontro" com os antigos participantes seria muito interessante. Grato por lembrar de mim. (...) Vou encaminhar sua matéria p/Daniel Ciarlini. Abraços, 
Wilton Porto 

4 comentários:

  1. Joserita Melo Carvalho12 de novembro de 2010 00:10

    Agora lendo este artigo me veio à memória algumas lembranças desse tempo do inovoção...lembro de ti e o "bigode"(Reginaldo) lá por casa comentando sobre algumas materias do jornal.... lembro tbm de umas camisas brancas com o nome inovação, em vermelho, estampado bem na frente, eu inclusive tinha uma..... e lembro que sempre tinha um exemplar do inovação lá por casa, claro!, não poderia faltar na casa de um dos colaboradores mais entusiasmado e vibrante desse jornal, e tal entusiasmo, me entusiasmava e me levava a ler todo exemplar que eu encontrava lá por casa.

    ResponderExcluir
  2. Que bonita a saga desses jovens intelectuais, em trabalho de equipe, para plantar a cultura nesse nosso Estado, especialmente, na Parnaíba! Hoje, todos, de nomes consgrados!

    ResponderExcluir
  3. Caro poeta...

    Como é bom reviver esse momento...
    INOVAÇÃO...
    Reginaldo, B. Siva,Sólima, Ednólia, vc etc...
    poxa q. tempo fazemos parte de uma história,
    que lindo hj q caiu a ficha...
    lembra daquele dia q fizemos uma caragueijada na casa do Reginaldo q o LUla (presedente) participou conosco? Será q existe foto desse dia... gostaria muito de ler um INOVAÇÃO para matar a saudade...
    Amado amigo espero não te perder mais
    e o Reginaldo o q faz...
    bjus a todos made-me noticias desses companheiros.
    bjus
    Ana Alice

    ResponderExcluir
  4. Acho que ninguém que tenha feito parte do Inovação ficou com alguma fotografia dessa visita do Lula a Parnaíba, em que ele esteve na casa do Reginaldo. O Danilo Melo, o Flamarion Mesquita e o Reginaldo, hoje, moram em Palmas - Tocantins. De qualquer modo, quando vc receber o cd terá, virtualmente, todos os números do Inovação, os do formato apostila (mimeografados), os de tamanho tablóide e os do tamanho padrão (ambos em off-set). Consequentemente, verá muitas fotografias e ilustrações dessa época. O Canindé, De Paula, B. Silva, Wilton Porto continuam em Parnaíba. O Neco, o Jonas e o Porfírio moram em Brasília. Nas matérias antigas de meu blog há matéria do B. Silva e do Wilton Porto sobre o Inovação.No link http://www.cenajus.org/moodle/mod/forum/discuss.php?d=129 vc poderá ler um outro depoimento meu sobre o Inovação.

    ResponderExcluir