quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

FAZENDA ININGA – A FESTA DA RESTAURAÇÃO


Elmar, Marcelino e Lirton



3 de dezembro   Diário Incontínuo

FAZENDA ININGA – A FESTA DA RESTAURAÇÃO

Elmar Carvalho

No sábado, em companhia da Fátima, atendendo convite do professor, museólogo e ator Paulo de Tarso Libório, que foi entregue na APL pelo ilustre magistrado e historiador Lirton Nogueira, fui a José de Freitas para participar da Festa da Restauração da Casa Grande da Fazenda Ininga. Já a conhecia, de vezes anteriores, desde que ela foi adquirida pelo Paulo, seu atual proprietário. Nessas duas ocasiões, ele me mostrou os dormitórios e as demais dependências da casa, e me contou algumas coisas sobre sua rica história. Sua construção remonta ao ano de 1823.

A vetusta casa, no imaginário do povo simples, como toda morada secular, é povoada por fantasmas de antigos moradores. Pertenceu a importante estirpe livramentense, os Sampaio Castelo Branco. Muitos membros dessa velha família ficaram na História do Piauí. O padre Joaquim Sampaio e o engenheiro Antônio José Sampaio nasceram nela. O primeiro foi um grande orador sacro e jornalista; confessor da princesa Isabel. Eleito deputado geral, com o advento da República não pôde assumir o cargo. O segundo foi o fundador da Fábrica de Laticínio de Campos, hoje Campinas do Piauí. O transporte das peças da fábrica foi uma verdadeira odisseia, que custou muito trabalho, esforço e dinheiro, em que muitas reses morreram exaustas nessa luta, que se revelou inglória.

A fábrica, bem situada, em termos de terra, gado e pastagem para criação extensiva, não o era em termos de logística de transporte e distribuição. Em pleno agreste, numa época em que não havia estrada e nem carro, ficava muito distante do Parnaíba e dos centros consumidores. O sonho do engenheiro Sampaio malogrou, em meio a dívidas e insatisfação dos colonos trabalhadores, a maioria de origem italiana. Hoje, existe um outro sonho; restaurá-la, e transformá-la em museu e espaço cultural. Alguns utensílios da velha fábrica estão expostos na Ininga, em recinto que homenageia o engenheiro e empresário. O Paulo Libório anuncia escrever um ensaio sobre a Ininga, e pelo que lhe conheço da personalidade até os fantasmas terão vez e voz.

Nas minhas visitas anteriores, permitiu-me tirar fotografias, que serviram para que eu ilustrasse o meu poema Livramento: Pedra e Abstração (roteiro sentimental de José de Freitas). Mandei confeccionar um banner e fui deixá-lo no casarão onde ele morava em Teresina, que na verdade era um museu de arte sacra, exposto em cenário arquitetônico apropriado. Portanto, mais do que um museólogo, o Paulo de Tarso, sobrinho de Dom Paulo Hipólito de Sousa Libório, que por muitos anos foi bispo da episcopal Parnaíba, é um criador de museu. Ele colocou o banner em bela moldura, e o afixou numa das salas do solar, para honra e gáudio meu.

Quando cheguei, já ocorrera o Ofício de Nossa Senhora. O terço já fora recitado e a procissão de Nossa Senhora da Piedade, protetora da Fazenda Ininga, já circulara no entorno da casa grande, situada no alto de suave colina, de onde se tem uma bela visão das árvores nativas, que dão um aspecto bucólico ao lugar. Essas duas primeiras partes da Festa tiveram a participação do Grupo de Canto Litúrgico Homens do Terço da paróquia livramentense.

As pessoas já estavam sentadas no grande alpendre da vetusta casa, esperando o início da missa, no momento de minha chegada. Procurei um lugar vago, e este não me poderia ser mais propício, pois fiquei perto dos amigos Lirton e Marcelino Leal Barroso de Carvalho, meu mestre no curso de Direito; ele restaurou, na sua Amarante, a Festa do Divino, e a exemplo do anfitrião também criou um museu, no caso, o do Divino Espírito Santo. Antes do início da missa, mantivemos breve conversa, sobre assuntos diversos e aleatórios.

Enquanto a celebração religiosa não tinha início, pude ouvir, por breve momento, o canto metálico de cigarras, que também aconteceu durante o culto, quase em surdina, como se esses insetos não quisessem perturbá-lo, mas também desejassem dele participar, rendendo sua prece musical ao Criador. Devo confessar que também ouvi a melodia aflautada de um sabiá, que parecia vir de um frondoso oitizeiro, talvez secular, que se erguia perto da varanda, à sombra do qual várias pessoas preferiram ficar. Como uma bênção do céu, debulhada em gotas, houve até um rápido chuvisco, que contribuiu para refrescar o tempo.

A canícula, que nos trazia o cheiro do incenso, espargido pelos turíbulos, movimentados como pêndulos perto do altar, vinha amena e refrescante. Enfim, a natureza, as nuvens, os pássaros e as cigarras pareciam desejar contribuir para o brilhantismo da Festa da Restauração. Até o pequeno sino do alpendre, uma espécie de aldraba da casa, deu a sua contribuição, quando fez dueto com as campainhas, de timbre mais argentino, com as suas badaladas mais graves e mais encorpadas, na hora da consagração das hóstias.

A música, mais do que sacra, foi divina. O Madrigal Vox Populi nos encantou com belos cantos em latim, entre os quais destaco Kyrie Eleison, Gloria in Excelsis Deo, Credo in Unum Deo. Os seus componentes estavam devidamente paramentados, o que dava um aspecto mais solene e mais antigo ao grupo, com o uso de vestes talares e capuz. A participação do Coral Homens do Terço parecia vir de dentro da casa, o que dava ao responso um ar quase sobrenatural, como se o canto viesse de mais longe ou talvez das entranhas da terra. Não sendo eu entendido em música sacra não posso afirmar categoricamente, mas tive a impressão de que dois ou mais números eram cantochões gregorianos, magníficos, embora quase monocórdios, como são esses cantos.

Em suma, em tudo parecia haver o perfeccionismo e detalhismo do professor Paulo de Tarso Libório, desde a beleza do convite e do folheto da missa, até a escolha e disposição das peças, que compõem o museu, inclusive a ambientação dos dormitórios, das salas e das acomodações dos trabalhadores (senzala). Tudo ele reconstituiu meticulosamente. As madeiras que já não existiam foram substituídas por outras igualmente antigas, encontradas em taperas ou velhas casas demolidas. Ele ainda, com o auxílio do Lirton, conseguiu uns ladrilhos artesanais, que ainda eram fabricados em Campo Maior.

Chegou mesmo ao requinte de adquirir algumas reses da raça pé duro, para que a Fazenda da Ininga ficasse ainda mais caracterizada como tal. Retornou, o máximo possível, a casa ao seu projeto original, tendo para isso arranjado trabalhadores, que talharam pedras jacaré com machado. Mandou retirar um forro, que conspurcava a antiguidade do solar. Ouvi falar que ele mandou destelhá-lo, para que as telhas fossem lavadas uma por uma, e depois repostas, de modo a não haver goteiras. O perfeccionismo do meticuloso anfitrião se refletiu até no almoço, que foi supimpa, farto e saboroso.

A última e definitiva prova desse gosto apurado e detalhista foi o brinde da festa, distribuído na porteira de saída da velha Ininga: uma pequenina e artesanal panela de barro, com um arco de arame, para servir de pegador. Detalhe: o arame era antigo, e nele se viam os vestígios da passagem do tempo, como um símbolo da antiguidade da casa grande da Fazenda Ininga, de muita glória, fama e história.  

16 comentários:

  1. Meu caro amigo Elmar:

    Leio o texto- anotação-diário sobre a Fazenda Ininga. Vejo o quanto você consegue tirar da exposição minuciosa, precisa, atenta a tudo que faz do seu texto um precioso quadro pictórico do lugar. Nada lhe escapa ao sutil exame dos objeto,, das cores, das formas, do cheiro, o que torna sua narração, descrição replena de transmissão de onhecimento dos lugares por onde passa com o seu projeto de contar, narrar, descrever particularidades encantadoras de velhos e misterioros recantos aprazíveis da sua/nossa querida terra piauiene.
    às vezes, seu texto me lembra o que fez Drummond na prosa ao retratar situações históricas, paisagens e ações dos homens no interior de Minas.

    Sua prosa, límpida, se revela um misto de literatura, poesia e história, todas elas juntas formando um conjunto perfeito de txtualidade que ensina, faz ver e desperta mesmo a vontade de o leitor desejar estar tamém presente no lugar focalizado, vendo e ouvindo os homens e a paisagem, as construções das antigas fazendas que são restauradas por um novo dono conhecedor da cultura, da arte e da história do Piauí.
    Com receptor do seu texto, sinto o andar do tempo por onde passou o poeta amigo, vejo as pessoas, os objetos, os costumes, os modos de vida no interior e a marca da historicidade deixada pelo passagem do tempo.
    Esta visão variada e ilustradora consigo desfrutar da leitura e da sensibilidade de sua pena, que olha para o objeto central da sua exposição, mas com um olhar que pensa e, aí está o detalhe específico, e vê com a emoção do poético.
    Cunha e Silva Filho

    ResponderExcluir
  2. Interessante! Esta fazenda pertenceu ao meu tataravô Mariano Fortes Castelo Branco.

    ResponderExcluir
  3. Casado com Dona Felisbela Sampaio Castelo Branco. Irmã do Padre Joaquim Sampaio Castelo Branco.

    ResponderExcluir
  4. Caro Cunha e Silva Filho,
    Você percebeu o que desejei transmitir.
    Agradeço por suas palavras de estímulo, que saem de um coração generoso, e que reconhece o esforço do próximo.

    ResponderExcluir
  5. Oi Elmar, tudo bom?
    Essa fazenda ininga ouvi dizer que tem grandes proporções. Você saberia me dizer quantos hectares tem essa fazenda?
    Obrigado. Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Não. Mas tenho um amigo que me pode dar essa informação. Quando a tiver, a darei em próximo comentário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok Elmar. Obrigado.

      Excluir
    2. Fico no aguardo. Abraço.

      Excluir
  7. Segundo o meu amigo, que conhece muito bem a casa grande da antiga Fazenda Ininga, ela deve ter em torno de 700 a 800 metros quadrados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Elmar pela informação.

      Excluir
  8. Meu caro Elmar,
    Gostei imensamente de sua crônica sobre a Festa da Restauração da Fazenda Ininga, com que se restituiu à cidade de José de Freitas e ao Piauí um pedaço importante de sua história e de sua cultura. É impressionante sua maneira, a um tempo elegante e simples, de destacar os aspectos mais relevantes do fato e de seu cenário (como o esforço do Paulo Libório em "salvar" a Casa Grande), sem descurar a singeleza de elementos coadjuvantes (como o zumido da cigarra ou o gorjeio do sabiá), nem esquecer o componente humano (como os colaboradores anônimos do anfitrião). Como disse Cunha e Silva Filho, alguns "conhecerão" plenamente a Casa Grande somente pela riqueza de sua descrição, mas espero que isto sirva também de estímulo a quantos tenham a possibilidade de contribuir para o ressurgimento de outros bens do nosso combalido patrimônio material e imaterial. Abraço de seu velho professor e hoje grande admirador, Marcelino Barroso.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado, professor Marcelino, por suas generosas palavras de estímulo.
    Como dizem os jovens, valeu!
    Um forte abraço de seu sempre aluno,
    Elmar.

    ResponderExcluir
  10. O Professor Paulo, não comprou a Fazenda Ininga, mas a CASA GRANDE A FAZENDA ININGA encravada somente em 17 hectares.

    ResponderExcluir
  11. SERÁ SE ELE ALGUM DIA PRETENDE VENDÊ-LA? O TEMPO DIRÁ...

    ResponderExcluir
  12. Oi Elmar, tudo bom?
    Você saberia me dizer quantos hectares tem a Fazenda Ininga??
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  13. Qual seria o valor venal de toda a Fazenda Ininga?

    ResponderExcluir