sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

ZEFERINO E A MATEMÁTICA MODERNA (*)


ZEFERINO E A MATEMÁTICA MODERNA (*)

Elmar Carvalho


No meu périplo campomaiorense, por ocasião da inauguração do Memorial e da sede da Academia Campomaiorense de Artes e Letras revi o Zeferino Alves Neto, um guerrilheiro da cultura e agora blogueiro. Foi meu professor de matemática, creio que em 1969, no meu primeiro ano do antigo curso ginasial, no único ano em que estudei no Colégio Santo Antônio, de que foram fundadores, entre outros, os velhos mestres padre Mateus, professor Raimundinho Andrade e o juiz Hilson Bona.

A seguir, estudei o segundo ano ginasial na cidade de José de Freitas, da qual guardo ótimas lembranças. Fiz o terceiro e o quarto ano, de volta a Campo Maior, no Colégio Estadual, que hoje, com muita justiça, tem o nome do professor Raimundinho Andrade.

Devo dizer que Zeferino, o ZAN, foi o único professor de matemática de que não tive medo, e observo que foi através de suas aulas o meu primeiro contato com a então chamada Matemática Moderna, cheia de sinais gráficos, desenhos geométricos e noções de conjunto, e outros artefatos pavorosos.

Sempre tive terror dessa matéria, e por isso escrevi em versos:  A matemática / me enlouquece: / por isto meu pensamento / salta de mais infinito / a menos infinito (…).   Alguns professores dessa disciplina aparentam ter certa inclinação para o sadismo, e parecem se comprazer com o medo que infringem aos discípulos. ZAN sempre foi um humanista, um guerreiro do bem, e não torturava seus alunos com ameaças e perspectivas de reprovação.

Como em 1975 deixei definitivamente Campo Maior, com minha ida para Parnaíba e depois Teresina, por décadas o perdi de vista. No começo dos anos 2000, quando lancei meu livro Rosa dos Ventos Gerais em Brasília, voltei a vê-lo, uma vez que ele foi a essa solenidade cultural. Depois, consegui rastreá-lo através dos mares internéticos.

Com o seu retorno a nossa cidade natal, tenho-o visto mais amiúde. Conversamos algumas vezes. Em seus comentários em blogs e sites, nota-se o seu apurado senso de humor e a sua preocupação com a cultura e o bom andamento da administração pública. Além de escritor, radialista, jornalista, blogueiro, é eminentemente um homem de teatro, tanto como teatrólogo, como também na qualidade de ator e diretor.

Embora a sua veia humorística esteja sempre afiada e armada, noto-lhe a preocupação constante em não ferir as pessoas, mas apenas em divertir-se e diverti-las. Portanto, o caríssimo ZAN sempre será Zeferino, mas jamais Zé Ferino, para fazer um trocadilho cretino, e continuar no meu rimar genuíno, sem perder o tom e o tino. 

(*) Republico este meu texto, datado de 17 de março de 2010, em virtude do falecimento de Zeferino Alves Neto, o ZAN, ocorrido no dia 25.02.2015, quarta-feira, como uma homenagem a ele que foi eminentemente um ser cultural e humanista.    

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A sua morte nos pegou de surpresa e o levou de nós repentinamente. Estive na casa do Zan dia 22 de lá rumamos até a Big Pão depois cada um tomou o seu destino. Na terça combinamos de nos encontrarmos novamente já que eu retornaria a SP dia 25 a noite de Teresina, no entanto, a tarde fui surpreendido com seu falecimento, me restou a saudade, a tristeza e a inconformidade. Infelizmente, não sabemos em qual estação devemos nos despedir das pessoas que amamos. Valeu meu amigo Zan, descanse com seu sorriso.


    Horácio Lima, SP

    ResponderExcluir