domingo, 8 de abril de 2012

O POETA E O INSETO


O POETA E O INSETO

Elmar Carvalho

Uma música longínqua
e melancólica cria ressonâncias
na concha acústica de minha alma.
A bebida eu a tomo em longos goles.
Um inseto pousa sobre
a mesa e me faz companhia.
Sorve um trago da porção/poção
(derr)amada. E se embriaga.
A tristeza imensa me deixa cruel:
enxoto o pobre inseto bêbado que
ensaia um atropelado vôo. E cai.
A tristeza continua a crescer e a cair
em minha alma como infiltrações de estalactites
em (f)urna mortuária .....................................

3 comentários:

  1. lembrou-me a mosca no branco papel de uma composição minha. O qual tbm foi atropeldo por uma papelada. Feliz niver poeta.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Mestre, também e principalmente pelo poema/presente que o amigo me dedicou, e que já se encontra publicado neste blog.

    ResponderExcluir
  3. Joserita Melo Carvalho9 de abril de 2012 12:29

    Parabéns meu irmão!!!!!!!!
    Desejo tudo de melhor p/ ti!!!!!!!
    Deus esteja sempre contigo e tu com ele!
    bjão

    ResponderExcluir